Ilustración de Demián Morassi
Demián Morassi

Resposta à carta aberta de Boaventura de Sousa Santos a dois jovens indígenas equatorianos

/
Share

In aliis linguis

(Originalmente publicado em espanhol em Alteridad.net. Foi adaptado para publicação em nossa revista, incluindo a ilustração com imagens, bem como o acréscimo de uma introdução e uma seção final para maiores informações. Tradução de Joám Evans Pim.)

Introdução

O atual processo eleitoral no Equador está provocando um intenso debate nacional e internacional, em que as divergências sobre o conteúdo, os objetivos e as estratégias da esquerda ficaram em destaque. Neste debate, duas visões opostas de “esquerda” estão se tornando evidentes. Uma delas é a representado por Andrés Arauz, candidato apoiado pelo ex-presidente (da esquerda) Rafael Correa, que obteve a maioria dos votos no primeiro turno, realizado em 7 de fevereiro. A outra é a representada por Yaku Pérez, um líder indígena, contrário às minas e à privatização da água, que era prefeito da província de Azuay, e que não alcançou o segundo lugar na votação por uma margem muito estreita (mesmo se tem falado de fraude), sendo ultrapassado pelo banqueiro e empresário Guillermo Lasso, que conseguiu passar ao segundo turno a celebrar em 11 de abril. Uma das principais questões a serem debatidas é se os governos de esquerda debem promover projetos extrativistas ecologicamente destrutivos, como fez Correa, como estratégia para melhorar as condições materiais de vida da população, pelo menos no curto prazo, ou se existe uma alternativa mais sustentável e justa em harmonia com os ecossistemas com a qual possa ser alcançada a justiça e um genuíno Buen Vivir.

Há uma opinião generalizada de que Arauz, enfrentado com Lasso no segundo turno, vencerá sem problemas, devido ao amplo descontentamento com a política neoliberal do atual presidente, Lenín Moreno. Ao contrário, a possibilidade de Pérez ter chegado ao segundo turno das eleições presidenciais aumentou a esperança de seus apoiadores, não só de que derrotaria Arauz, mas também de que sua visão de uma esquerda anti-extrativista e ecológica, baseada em valores indígenas, poderia ganhar apoio como uma alternativa clara e genuína ao neoliberalismo.

Em resposta a uma carta aberta do proeminente intelectual de esquerda português Boaventura de Sousa Santos, o acadêmico indígena equatoriano Atawallpa Oviedo Freire destaca, no texto que se segue, o caráter profundamente destrutivo do progressismo correista e do neoliberalismo de direita, como ramos do que é essencialmente o mesmo paradigma planetívoro ocidental. Ao mesmo tempo, celebra o ressurgimento de um movimento indígena em resistência às pressões que tentam limitá-lo a ser um braço cooptado e subordinado de uma formação política ocidental progressista e antiecológica, um movimento que embarca numa luta transcivilizacional em busca de uma alternativa autêntica politicamente, socialmente e ontologicamente.


Caro Boaventura, é com grande tristeza que li várias vezes a sua “Carta aberta a dois jovens indígenas equatorianos”, na qual mais uma vez, e sem querer querendo, acaba por apoiar mais uma vez o progressismo, apesar de que afirma ser crítico e não quer aconselhar ninguém. Assim como outros decoloniais, como Dussel e Grosfoguel, que também apoiaram o progressismo latino-americano, e que da mesma forma, sem querer querendo, continuam a ser eurocentrados, embora digam que não são ou digam que o questionam.

Boaventura de Sousa Santos en 2010
Foto: Renato Araújo / Agência Brasil. Fonte: Wikimedia Commons.
O hegemonismo ocidental, em suas expressões de direita e esquerda (especialmente o autoproclamado progressista), reluta em perder seus privilégios conceituais e factuais, e lutou contra nós com mais virulência do que a própria direita. O progressismo em toda a América Latina perseguiu-nos, criminalizou-nos, assassinou-nos, e o senhor Boaventura pede-nos que sejamos masoquistas e votemos neles para que continuem submetendo-nos. Nem a direita, nem antes a monarquia, conseguiram nestes 500 anos dividir o movimento indígena como fez o socialismo do século XXI. E o senhor Boaventura diz-nos que o progressismo é nosso aliado. Ironicamente, nos governos de direita fomos mais coesos, consolidados, unificados, até que a direita progressista apareceu para nos dividir, desconstruir, desmantelar; e o senhor Boaventura pede-nos para repetir a história.

Na sua carta lembra-nos o que o stalinismo fez a todos aqueles que o questionaram, argumentando que a revolução tinha que ser defendida apesar de seus erros. O senhor Boaventura viu como tudo acabou, apenas para reconhecer que estiveram errados no apoio aos stalinistas. E esse é o mesmo caso de agora, mas pede-nos para esquecer o que aconteceu ao longo da história da esquerda mundial com sua perseguição aos que discordavam de seus dogmas, sob o argumento de que a direita neoliberal e o imperialismo são o perigo real. Quando para nós ambos são perigosos, e não é fundamental quem é mais perigoso, mas ambos são contraproducentes, não só para o ser humano mas para a vida como um todo, com o seu extrativismo de esquerda e de direita.

No final das contas, o senhor Boaventura aderiu à linha do progressismo mundial e repetiu o mesmo discurso stalinista. Diz que Yaku Pérez apoiou o golpe na Bolívia. Faltou acrescentar que Yaku concordou com Janine Añez e que apoiou as mortes de Senakaba e Senkata, como é o discurso correista no que acreditou pelo seu valor aparente. Mostre que apoiou o golpe. Até agora, para todos que eu disse para provar isso, ninguém foi capaz de fazer isso. Yaku, como o Mallku Quishpe, muitos líderes bolivianos e movimentos indígenas e sociais, e de alguma forma o próprio Choquehuanca, criticaram Evo por seu desejo de permanecer no poder e por não ter conhecimento do referendo em que o povo boliviano, incluindo os do MAS, disseram-lhe que tinha que deixar passo para outra pessoa.

Evo Morales y Rafael Correa
Evo Morales e Rafael Correa em rolda de imprensa conjunta em Quito, Equador, o 13 de outubro de 2010. Fonte: Wikimedia Commons.
Aliás, talvez o desconhecimento do referendo também não tenha sido um golpe para a democracia. Quem começou a bater? Criticou o senhor Boaventura aquele golpe? Criticou a alternância que comanda a filosofia indígena? Algo que depois do golpe de Añez, o próprio Morales reconheceu que estava errado em sua ideia de se perpetuar. E por outro lado, parece que ele ganhou essas eleições com fraude, o que até agora não se provou que não houvesse, e que a vitória do MAS nestas últimas eleições não necessariamente confirma que não houve fraude. Yaku criticou tudo isso, mas o senhor Buenaventira repete a mesma coisa que diz o Correísmo.

Em toda a sua carta critica Yaku e só tem a dizer que ele é de direita, embora diga que Pachakutik apoiou o neoliberal de direita Lenin Moreno. Prove isso também. Sim, houve alguns membros da assembleia que apoiaram certos projetos, mas foram questionados e criticados por Pachakutik. Mas o senhor repete o discurso correista de que Pachakutik era aliado de Moreno, juntando-se assim ao grupo de intelectuais progressistas internacionais na campanha suja contra o movimento indígena e em particular Yaku, como demonstrou Salvador Schavelzon.

Protestas de trabajadores e indígenas contra el gobierno de Rafael Correa
Protesta de trabalhadores e indígenas em contra das políticas do governo de Rafael Correa (Quito, Equador, 18 de junho de 2015). Fotografia: Agencia de Noticias ANDES. Fonte: Wikimedia Comons.
O movimento indígena e a esquerda lutam há vários anos contra a corrupção do progressismo correista, muito mais do que a direita, e agora o senhor Buenaventura também inventa a história da lawfare. E o que acha do que o correísmo fez quando “pôs as mãos na justiça”, como disse o próprio Correa. Isso não é lei também? O senhor cita Alberto Acosta na sua carta, mas deveria ler tudo o que ele escreveu sobre o correísmo, e também os três grandes livros de vários intelectuais que aí escrevemos e que do que ele foi um dos editores. Além da quantidade de livros que tiramos individualmente sobre o que significava correísmo, e que não é como o senhor diz que houve grandes avanços. Além disso, os governos de direita da Colômbia, Panamá e Paraguai reduziram a pobreza muito mais do que Correa.

Quando o senhor Boaventura esteve em Quito há cerca de 6 anos e se encontrou com vários intelectuais, explicamos pessoalmente a situação que estávamos vivendo, mas não ajudou muito. Desde aquele encontro, senti que o senhor não entendeu totalmente a nossa luta, e o tempo confirmou isso, porque, em última análise, o senhor sempre se pronunciou a favor do progressismo, e a carta que motivou esta resposta reflete claramente a sua posição e confirma uma vez mais que estamos em caminhos diferentes.

Lenín Moreno
O presidente de Equador, Lenín Moreno, em 2017. Fotografia: Agencia ANDES. Fonte: Wikimedia Commons.
Estamos em caminhos diferentes porque temos duas linhas desiguais de compreensão da realidade e da vida. Eu faço parte daqueles que trabalham com as racionalidades ou pensasientos [NdT: pensamentos + sentimentos] coletivos milenares, os mesmos que ainda estão vivos e latentes na maior parte do planeta, apesar do epistemicídio que o eurocentrismo tem tentado fazer, mas não conseguiram, nem mesmo na própria Europa, onde o movimento indígena celta está renascendo. Não sei se você o conhece, aparentemente não em detalhes, mas o certo é que ele não faz suas reflexões a partir da filosofia Awen ou Druida, da terra onde você nasceu. Esta filosofia coletiva da Europa indígena vai para além das epistemologias do sul, e está de acordo com as filosofias indígenas de todo o mundo, uma vez que não há grande diferença entre a filosofia celta com a Inca, a Maia, a Hindu, a Chinesa, a Bantu, etc.

Não falar desde uma filosofia milenar construída coletivamente, é falar desde uma visão eurocêntrica, ou mais precisamente helênica, que os gregos sistematizaram e chamaram de civilização. Paradigma que os romanos cristianizados impuseram às culturas indígenas da Europa, e que mais tarde os europeus civilizados ou dogmatizados continuaram a reproduzir, mas que ultimamente o movimento celta também questionou.
No entanto, a maioria dos intelectuais europeus de esquerda ainda não os levou em consideração, como é o caso do resto do mundo ocidentalizado e seus satélites, nos quais todos falam de uma visão eurocêntrica de esquerda e de direita. É por isso que a direita e muitas esquerdas criticam as filosofias indígenas, ou as desprezam porque as desconhecem e, sobretudo, porque não funcionam a partir dessas ontologias e epistemes.

Primer Encuentro de los Pueblos y Nacionalidades Andinas por el Sumak Kawsay
Primeiro Encontro dos Povos e Nacionalidades Andinas pelo Sumak Kawsay (27/09/2011). Fonte: Wikimedia Commons.
Assim, em todo o mundo, esses esquerdistas zombam dessas sabedorias antigas, com apelidos de pachamamismo, abyayalismo, essencialismo, etnicismo, culturalismo, fundamentalismo e, ultimamente, até mesmo fascismo. E no seu caso fala de movimentismo, sugerindo que caiu no apolitismo, o que mostra que não conhece bem o movimento indígena equatoriano. E aparentemente pensa o mesmo do Zapatismo, que é apenas uma ação movimentista das ONGs pagas pelo Norte Global.

Assim, os povos indígenas de todas as cores de toda a Mãe Terra levantaram-se reivindicando o sumak kawsay (Abya Yala), o Ubuntu (África), o Swaraj e Tanxia (Ásia), o Awen (Europa), para citar alguns conceitos, podendo ser todos eles traduzidos como: “todos vivendo em harmonia sob o céu”, como dizem os antigos chineses. É a partir dessas epistemologias coletivas milenares que falamos e interpretamos nossa realidade, e essa é a diferença com todos os outros que falam das epistemologias eurocêntricas do sul e do norte, umas mais e outras menos eurocêntricas, e acho que o senhor tem ainda alguns atrasos eurocêntricos.

São eurocêntricos porque não fazem sua crítica a partir de uma epistemologia elaborada coletivamente pelos próprios povos, mas de seu particularismo individualista, que se forma no paradigma eurocêntrico e não em estudos sérios de filosofias não ocidentais. Ou seja, não deram um giro coletivo para falar a partir de epistemologias e ontologias construídas há milhares de anos, mas de construções individuais ou pequenos grupos nascidos no interior do Ocidente.

E faz parte dele o progressismo, que é a expressão pós-moderna dos setores médios e académicos que procuram deslocar os movimentos sociais (principalmente indígenas) ou cooptá-los para que fiquem sob sua tutela social-democrata e até mesmo democrata-cristã, sob a designação de nova esquerda. É por isso que eles nos confrontaram, porque nós não estamos mais atrás de sua fila eurocêntrica do socialismo do século XXI, mas sim disputamos suas concepções e horizontes. Porque eles querem continuar a nos ter apenas como uma massa ou como um braço indígena ou feminista ou ambientalista ou popular. E porque empreendemos uma luta em que já não é apenas de classe e moral (como eles querem), mas ontológica e trans-civilizacional. Esta é a linha de fundo, entre umas e outras posições.


Para saber máis:

Ilustración de Demián Morassi
Demián Morassi
[Total: 0   Average: 0/5]
Share

Autor e co-autor de diversos livros, tem também artigos publicados em diversos meios impressos e digitais. Escreve ensaios, romances e poesia, além de ter-se dedicado ao teatro, jornalismo e caricatura. De uma formação diversificada, é Doutor em Jurisprudência, Mestre em Gestão Sustentável, Advogado e Graduado em Ciências Públicas e Sociais. É autodidata em Filosofia, Psicologia Transpessoal e Terapias Alternativas. Foi professor universitário da Universidade Central do Equador, a Escola Politécnica do Exército e da Universidade Cristã Latino-Americana. Fundador do "Movimiento al Buen Vivir Global" e Diretor da Escuela Superior Alteridad.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Artículo anterior

Zaldibar, um ano após Brumadinho

Lo último de Blog