Aitoff. Fonte: Pixabay

Colapso da nossa civilizaçom, umha hipótese em voga

/
Share

(O presente artigo foi publicado originalmente no site da Associaçom Véspera de Nada, antes do estourido da pandémia de COVID-19.)

O passado 10 de Fevereiro a Fundaçom Jean-Jaurès deu à luz um estudo, realizado por Jean-Laurent Cassely e Jérôme Fourquet, sobre a percepçom das populações de 5 países —Alemanha, EUA, França, Itália e Reino Unido— da possibilidade dum colapso da nossa civilizaçom num futuro próximo. As principais conclusões que se podem tirar deste estudo som:

  • A possibilidade dum colapso da nossa civilizaçom está bem presente no imaginário colectivo dos países estudados. Assim a maior parte das pessoas entrevistadas considera provável tal desfecho, e só na Alemanha esta hipótese é minoritária.
  • Em geral a hipótese dum colapso “próximo” está mais espalhada entre a mocidade, agás na França, onde nom há diferenças significativas entre todos o grupos etários.
  • A causa mais citada para o colapso é “o aquecimento global e o consumo excessivo”, mas também é bastante popular a opiniom de que “nom vá ocorrer um colapso repentino senom umha deterioraçom das actuais condições de vida”.
  • Com respeito à data em que se produziria o colapso a resposta mais citada é “daqui a 30 a 50 anos”, seguida de “nas próximas duas décadas”.
  • Podem-se entrever dous grupos de pessoas que consideram provável o colapso, em funçom da causa principal do colapso e do futuro após-colapso:
    • o grupo “ambientalista”, que considera que a causas principais som ambientais —mudanças climáticas, esgotamento dos recursos…— e que alvisca sociedades após-colápso democráticas e baseadas na solidariedade.
    • o grupo “tradicionalista”, que se inclina por causas socio-políticas —migrações descontroladas, enfrentamentos comunitários conduzindo a guerras civis…— e que vaticina sociedades após-colapso autoritárias e grupais.

Infelizmente o estudo nom incluiu nengum dos países ibéricos, e portanto nom podemos saber como respira a gente por aqui.

Características técnicas do estudo

O estudo, encarregado pola Fundaçom Jean-Jaurès, esta baseado num inquérito realizado pola conhecida empresa de pesquisas de opiniom IFOP (Instituto Francês de Opiniom Pública) e tem as seguintes características técnicas:

  • Amostragem. O inquérito realizou-se utilizando amostras representativas das populações dos países seguintes, pessoas com 18 anos ou mais:
    • Alemanha: 1004 pessoas;
    • Estados Unidos: 1019 pessoas;
    • França: 1003 pessoas;
    • Itália: 1001 pessoas;
    • Reino-Unido: 1004 pessoas.
  • Metodologia. A representatividade da amostragem foi assegurada polo método de cotas (sexo, idade, profissom) após estratificaçom por regiom e categoria da localidade.
  • Forma de recolhida. As entrevistas fôrom realizadas mediante questionários em linha do 2 ao 15 de Outubro de 2019.

Quanto provável é o colapso da nossa civilizaçom

O questionário pretendeu ser o mais neutro possível, de maneira que os respondentes nom associaram as perguntas a algumha ideologia identificada. Assim a primeira questom suscitada foi:

Há gente que pensa que a civilizaçom, tal e como a conhecemos, vai colapsar nos anos vindoiros, concorda com essa opiniom?

Na figura 1 se recolhem, agrupadas por nacionalidade, as respostas a dita pergunta. Como se ve na dita figura as respostas possíveis som 4: muito, bastante, pouco e nada. Os autores vam considerar ao longo do estudo que as pessoas que escolhêrom as duas primeiras opções adirem à tese do colapso, entanto que as pessoas que escolhêrom as duas últimas rejeitam a dita hipótese. É também claro ao ver a figura que a adesom à hipótese colapsista é maioritária em todos os países agás na Alemanha, onde “apenas” 39 % dos entrevistados favorecem tal hipótese. Por outra banda a dita hipótese convence a 52 % dos entrevistados nos EUA, a 56 % no Reino Unido, a 65 % na França, atingindo o 71 % na Itália.

Fig. 1: Adesom a hipotese do colapso
Fig. 1

Na figura 2 mostra-se o nível de aceitaçom da hipótese colapsista em funçom da idade dos respondentes. Pode-se observar que em geral o nível de aceitaçom é maior nas faixas etárias mais novas, agás na França onde o pessimismo atinge a todas a idades.

Fig. 2: Adesom a hipotese do colapso segundo a idade
Fig. 2

Prognóstico temporal

Na figura 3 recolhem-se os resultados correspondente a questom de quando vai colapsar a civilizaçom actual. Neste caso, logicamente, as respostas correspondem as pessoas que consideram provável o colapso. Em geral a resposta mais popular é “daqui a entre 30 e 50 anos”, 30%, seguida de perto por “nos próximos 20 anos”, 29%.

Fig. 3: Prognostico temporal do colapso
Fig. 3

Por outra banda na figura 4 pode ver-se as percentagens, sobre a populaçom total, dos que pensam que se pode produzir um colapso da civilizaçom nos próximos 20 anos. Neste caso a populaçom francesa destaca-se como a mais pessimista.

Fig. 4: Prognostico temporal do colapso
Fig. 4

Causas do colapso

No questionário propunha diferentes possíveis causas para o colapso da civilizaçom. As respostas das pessoas que consideravam provável tal colapso se recolhem na figura 5. Pode-se observar que a resposta mais popular, 31,4%, é “Aquecimento global e consumo excessivo”, seguida dumha resposta um tanto fora de lugar, já que nom aponta causa nengumha, com o 30% global: “nom haverá colapso repentino, senom um declínio progressivo. Pode ver-se também que na Europa continental a imigraçom é um factor importante.

Fig. 5: Causa mais provavel do colapso
Fig. 5

Preparativos

No estudo também se inquiriu sobre se os respondentes tinham pensado em fazer, ou feito, alguns preparativos para enfrentar-se a umha crise mais ou menos grave. Na figura 6 mostram-se as respostas. Pode-se observar que som os EUA, a pesar de nom ser o país onde maior é o receio dum colapso, onde a populaçom pensa mais a tomar medidas para umha crise mais ou menos importante. Isto pode explicar-se por ser um país propenso a desastres naturais como tornados, furacães… e com um movimento sobrevivencialista bem assentado desde há tempo.

Fig. 6: Preparativos ante umha crise mais ou menos grave
Fig. 6

Na figura 7 mostram-se os resultados considerando a gente que, além de ter pensado em preparativos para umha crise, já passou a acçom e tem feito já alguns preparativos. Neste caso vê-se que se os estadounidenses som os mais preparados, os británicos seguem-lhes de perto. Com todo, a proporçom da populaçom que tem tomado medidas pensando num colapso da civilizaçom é bastante reduzido.

Fig. 7: Preparativos ante o colapso da civilizaçom
Fig. 7

Após o colapso

O inquérito também se interessou sobre as expectativas dos respondentes a respeito do mundo após o colapso. Assim na Fig. 8 mostram-se as opiniões de como será a sociedade após-colapso, a figura 9 trata das relações sociais, e na figura 10 vem-se as opiniões sobre a organizaçom política das sociedades. Em todos os casos as respostas corresponde-se as pessoas que acreditam num provável colapso da civilizaçom actual. Os resultados que se mostram na figura 8 nom condizem muito com os das figuras 9 e 10, mas as perguntas som um tanto vagas, sobre todo em quanto a linha temporal, e assim um bem pode pensar que no ápice do colapso as condições vam ser muito duras e a desconfiança será geral, mas logo as cousas voltaram ao seu rego e será possível umha existência mais sossegada dentro dumha sociedade menos conflituosa.

Fig. 8: Sociedade apos-colapso
Fig. 8
Fig. 9: Relaçoes sociais apos-colapso
Fig. 9
Fig. 10: Organizaçom politica apos-colapso
Fig. 10
[Total: 0   Average: 0/5]
Share

Deixa unha resposta

Your email address will not be published.

Este sitio emprega Akismet para reducir o spam. Aprende como se procesan os datos dos teus comentarios.

Artículo anterior

O fetiche da educación superior en tempos de choque contra os límites

Lo último de Blog